Excentricidade julho | 2018
21/07/2018
PROGRAMAÇÃO EXCENTRICIDADE
JULHO 2018
 
 
CALDELAS
SÁB 7 | 21H30 MÚSICA
QUARTETO DE CORDAS DE GUIMARÃES
Banhos Velhos
 
É um projeto inovador de residência artística, que visa desenvolver uma
oferta constante na área da música de câmara a partir da cidade de Guimarães. Assim, tendo como base uma série de concertos regulares na cidade e concelho de Guimarães, o Quarteto de Codas de Guimarães tem como principal objetivo a promoção de Guimarães como plataforma de criação própria que
irá servir de embaixador da cidade, tanto em Portugal como no estrangeiro.
A criação de uma forte identidade artística aliada à promoção de novas pontes com outras artes tais como as artes visuais, dança e artes plásticas fomentando a criação artística “made in” Guimarães, são os principais objetivos desta formação.
 
PROGRAMA
Debussy Quarteto
Música de dansa
Respighi ancient danses
Ragtime
Tangos
Valsas
 
FICHA ARTÍSTICA
Violino | Emanuel Salvador
Violino II | Álvaro Pereira
Viola D´Arco | Emília Goch
Violoncelo | Fernando Costa
 
Classificação etária | M/6
Duração aprox. | 60 min.
 
PONTE
SÁB 14 | 21H30 CINEMA
QUO VADO?
DIREÇÃO DE GENNARO NUNZIANTE
CENTRO PASTORAL PAULO VI
SINOPSE
Checco faz parte daquele grupo restrito de pessoas que consegue chegar à terceira década da sua vida sem experienciar qualquer dificuldade. Até hoje, sempre viveu comodamente em casa dos pais, que tudo fazem para o agradar, e fez carreira na Função Pública com a simples tarefa de carimbar licenças e autorizações de pesca.
Porém, quando a reforma da Administração Pública decide extinguir o seu posto de trabalho na pacata cidade italiana onde sempre viveu, ele fica sem saber o que fazer. Determinado a não aceitar qualquer indemnização, acaba por optar pelo programa de mobilidade e é enviado para uma base de investigação científica no Pólo Norte. Lá, contra todas as probabilidades, ele vai conhecer Valeria, uma pessoa que lhe mostra um modo de viver totalmente diferente e que se revelará ser o grande amor da sua vida…
 
FICHA TÉCNICA
Direção | Gennaro Nunziante
Com | Checco Zalone, Eleonora Giovanardi, Sonia Bergamasco
 
Classificação etária | M/4
Duração aprox. | 86min.
 
Entrada: 1€
Gratuito até aos 12 anos
 
Apoio: Cineclube de Guimarães
 
BRITEIROS
SÁB 14 | 21H30 MÚSICA
SAX & COMPANHIA
JAZZ PARA TODOS
CASA DO POVO DE BRITEIROS S. SALVADOR
SAX & COMPANHIA
O Sax & Companhia é uma formação musical que assume o formato de sexteto, composto por um quarteto de saxofones, percussão e a voz da fadista Cátia Montemor. O repertório base do grupo é composto por géneros musicais que abarcam a Música Tradicional Portuguesa, o Fado, o Jazz, o Tango e a Música Pop, o que possibilita uma combinação de diferentes estilos, facilitando a adaptação a diferentes públicos e contextos.
www.facebook.com/SaxCompanhia
 
ALINHAMENTO
In the Mood - Joe Garland, arr. Bruno Abrunheiro
All of Me - Seymour Simons / Gerald Marks, arr. arr. Bruno Abrunheiro
Hello, Dolly! - Jerry Herman, arr. Bruno Abrunheiro
Blue Moon - Richard Rodgers, arr. Bruno Abrunheiro
Chameleon - Herbie Hancock & Co., arr. Bruno Abrunheiro
It’s Oh So Quiet - Heans Lang / Bert Reisfeld, arr. João Calha
Dream a Little Dream of Me - Schwnad / Kahn / Andre, arr. João Calha
What a Wonderful World - Louis Armstrong, arr. Bruno Abrunheiro
Oye Como Va - Tito Puente, arr. Bruno Abrunheiro
Monte-Mor - Bernardino Gonçalves, arr. Bruno Abrunheiro
Dei-te uma Saudade - Tiago Silva, arr. João Calha
Sheik of Araby - Ted Snyder, arr. Bruno Abrunheiro
 
FICHA ARTÍSTICA
Voz | Cátia Montemor
Sax Soprano | Bruno Abruneiro
Sax Alto | Liliana Ferreira
Sax Tenor | João Calha
Sax Barítono | Pedro Balhau
Percussão | João Jesus
Vibrafone | Tiago Baptista
 
Classificação etária | M/6
Duração aprox. | 60 min.
Entrada: 1€
Gratuito até aos 12 anos
 
RONFE
SEX 20 | 21H30 MÚSICA
BANDSTAND BLUES BAND
ESPAÇO ARTE E CULTURA – EXTERIOR (ANTIGA ESCOLA DE GEMUNDE)
Caso as condições climatéricas não permitam a realização ao ar livre, este evento terá lugar no Salão Paroquial de Ronfe, pelas 21h30
SINOPSE
A Bandstand Blues Band, ou Banda de Blues ao Coreto, surgiu em 2014. É composta por músicos de várias gerações, com intervenções em áreas musicais de origem muito diversa e que têm em comum o gosto pelo Blues e Rhythm’n Blues e Jazz.
Atualmente a Bandstand Blues Band surge com novas roupagens e novas sonoridades, não só eléctricas mas também acústicas ou semi-acústicas aliando por um lado, canções mais intimistas, tocadas a duo, trio ou quarteto, e por outro clássicos do rock’n’roll e da musica pop, quer da cena nacional como da cena internacional, neste caso com os seus oito elementos em palco.
O Espectáculo que apresentam contem partes acústicas, semi acústicas e eléctricas, com clássicos como Proud Mary, Take a Walk on the Wild Side, Roadhouse Blues, Everytime You Go Away, Summertime, Black Coffee, Sweet Home Chicago, Everyday I Have The Blues, I Just Wanna Make Love To You Ok, Allright, You Win Fado, I Just Wanna Make Love To You, Like a Rolling Stone, You Can´t Always Get What You Want, No Lado Errado da Noite, Ana Lee, Sayago Blues ou Chico Fininho, entre muitos outros.
FICHA ARTÍSTICA
Baixo e direção musical | Zecas
Guitarra | Miguel Magalhães
Guitarra | Tiago Lemos
Harmónica de blues, baixo, voz | César Machado
Harmónica de blues, voz | Gilberto Neto
Percussões | Hugo Marinho
Voz | Carla Castro
Voz | Rui Melo
 
Classificação etária | M/6
Duração aprox. | 90min
Entrada: 1€
Gratuito até aos 12 anos
 
SELHO S. JORGE
SEX 20 | 21H30 CINEMA
TRÊS CARTAZES À BEIRA DA ESTRADA
DIREÇÃO MARTIN MCDONAGH
PRAÇA FRANCISCO INÁCIO
Caso as condições climatéricas não permitam a realização ao ar livre, este evento terá lugar no Salão Paroquial de Selho S. Jorge, pelas 21h30
SINOPSE
Passaram-se sete meses sobre o brutal assassinato de Ângela, a filha adolescente de Mildred Hayes. Inconformada com a atuação das autoridades, que parecem pouco empenhadas em encontrar o culpado, Mildred resolve chamar a atenção para o caso alugando três cartazes à
entrada da cidade de Ebbing, no estado norte-americano do Missuri. As frases que publica em cada um questionam diretamente a competência de William Willoughby, o chefe de polícia. Essa atitude vai desencadear uma espiral de violência na cidade, com a polícia a querer demonstrar a falsidades das acusações e Mildred a tentar a todo o custo que seja feita justiça.
 
FICHA ARTÍSTICA
De | Martin McDonagh
Com | Frances McDormand, Woody Harrelson, Sam Rockwell, Woody Harrelson, Abbie Cornish, Lucas Hedges
Outros dados | EUA, 2017, Cores
Género Artístico | Drama
 
Classificação etária | M/16
Duração aprox. | 115 min.
 
Apoio | Cineclube de Guimarães
 
S. TORCATO
SÁB 21 | 21H30 MÚSICA
RUI TAIPA
AUDITÓRIO DO GRUPO CULTURAL DE BARCO
Rui Taipa é um cantautor nortenho, de Freamunde, com bases folk, indie, funk e rock alternativo. Quem o conhece, a solo, conhece bem a sua vertente folk, de escritor de canções com espaço para o alternativo e um toque de funk, que podemos encontrar no seu primeiro E.P.
“Meia Dúzia de Histórias”, editado em 2014, dando início ao seu percurso discográfico. Com temas absolutamente distintos uns dos outros, denotando-se grande versatilidade na composição e apenas fazendo uso da guitarra, harmónica, kazoo e voz, Rui Taipa chegou ao mundo como “o novo cantautor Lusitano”.
Paciente e trabalhador, nestes últimos anos, Taipa tem vindo a procurar a sua identidade sonora, por esses palcos fora, revelando agora um pouco mais de si. Sem destoar do seu lado cantautor, irá apresentar-se neste novo trabalho com um registo mais a la Feist, Buckley mas, sobretudo, a la Taipa! “berro” é o título do primeiro longa duração, que reflete a urgência do autor em se fazer ouvir. Com a colaboração de Ricardo Fidalgo no baixo (The Acoustic Foundation), Gonçalo Salta (The Acoustic Foundation) na bateria, Nuno Machado (The Black Zebra) na guitarra e Ricardo Sousa (Eden Lewis II) nas teclas, juntamente com alguns convidados para a secção de sopros, há um conjunto de ingredientes distintos que se fundem numa receita capaz de agradar a todos. A pequena legião de fãs que conquistou, esperou, desesperou e grande parte entendeu esta pausa de trabalho discográfico (excetuando o single “Joana”, lançado em 2016) como parte de um desafio para quem quer viver a música. Rui Taipa veio para ficar e promete que valeu a pena a espera pelo regresso!
Setembro de 2017 foi o mês escolhido para lançamento do “berro”, disponível em formato físico e digital através do link: https://rui-taipa.lnk.to/UKPj9EM. Os singles “Nada” e “Fuso Horário” já rodam nas rádios e redes sociais, enquanto a banda percorre o país com concertos de apresentação.
FICHA ARTÍSTICA
Bateria | Gonçalo Salta
Baixo | Ricardo Fidalgo
Guitarra | Nuno Machado
Teclas | Ricardo Sousa
Guitarra, voz | Rui Taipa
Classificação etária | M/6
Duração aprox. | 60 min.
 
BRITO
SÁB 21 | 21H30 MÚSICA
ORQUESTRA DO NORTE
ESPAÇOS CRIATIVOS DE BRITO
ORQUESTRA DO NORTE
Projeto de descentralização da cultura musical apresentado pela Associação Norte Cultural e vencedor do primeiro concurso nacional para a criação de orquestras regionais, instituído pelo Estado português, em 1992. É seu fundador, Diretor Artístico e Maestro Titular José Ferreira Lobo.
A Orquestra do Norte inicia desde então um trabalho pioneiro e inédito, afirmando-se no panorama da música erudita como instituição reconhecida nacional e internacionalmente.
Sedeada na cidade de Amarante, a Orquestra do Norte integra profissionais de reconhecido mérito. Os seus concertos têm, habitualmente, a colaboração de prestigiados maestros, como Juozas Domarkas, Krzysztof Penderecki, Federico Garcia Vigil, Álvaro Cassuto e Rengim Gokmen.
Contou ainda, durante 17 anos, com a colaboração de Gunther Arglebe como maestro adjunto.
Alguns dos mais conhecidos solistas portugueses e estrangeiros participaram nos concertos da Orquestra do Norte, destacando-se nomes como os de António Rosado, Eva Maria Zuk, Avri Levitan, Patricia Kopatchinskaja, Kirill Troussov, Michel Lethiec, Robert Kabara, Placido Domingo, José Carreras, Ileana Cotrubas, Julia Hamari, Fiorenza Cossoto e Svetla Vassileva.
Para além do seu próprio coro, a Orquestra do Norte colabora com prestigiados grupos vocais
nacionais e estrangeiros.
 
PROGRAMA
Da Europa para a América
F.Schubert (arr. Bill Malcolm) - Marcha Militar,
P.I.Tchaikovsky - Dança do Cisne
M. Ravel ( arr.W.R.Shannon) – Pavane
J. Ibert – Três Peças Breves
F. Farkas – Cinco Danças Antigas Húngaras
E. Elgar - Pomp and Circumstance
G.Holst - Jupiter from “The Planets”
L. Bernstein - West Side Story
S. Kampanek - Killer Tango
A. Piazzolla - Oblivion
S.Lope - Gallito
J. T. Dalmau - Amparito Roca
M. Penélla - El Gato Montes
 
FICHA TÉCNICA
Orquestra do Norte
Direção | José Ferreira Lobo
Grupo de Sopros da ON
 
Classificação etária: M/6
Duração aprox.: 60 min.
 
S. TORCATO
SEX 27 | 21H30 MÚSICA
THE ACOUSTIC FOUNDATION
TERREIRO FRENTE AO SANTUÁRIO DE S. TORCATO
Caso as condições climatéricas não permitam a realização ao ar livre, este evento terá lugar no Centro Comunitário / Hemeroteca / Mediateca Educativa, pelas 21h30
SINOPSE
Os TAF (The Acoustic Foundation) são considerados uma das novas referências do funk nacional.
Mais do que uma banda, são um colectivo de formação aberta, de músicos e bailarinos de danças urbanas, que têm por missão fazer dançar.
Apelidados pelos seus pares de “máquina do funk n’ roll”, os seus concertos são uma enérgica
experiência sonora onde o groove sedutor nos vicia no movimento.
Funk, soul, pop ou, até, reggae são visitados nos originais da banda, que acaba de lançar Big Sculpture, álbum gravado em Portugal, mas trabalhado em Londres por Mo Hausler, engenheiro de som conhecido pelas colaborações com Björk, Lily Allen, One Direction, Icognito, Chaka Khan, Mika e muitos outros.
A banda encontra-se a desenhar a tour nacional, com passagens confirmadas por Porto, Cascais, Oeiras, Faro, Albufeira, Espinho ou Matosinhos.
 
FICHA ARTÍSTICA
Voz | Marta Oliveira
Guitarra | Gonçalo Fidalgo
Teclas | Nuno Costa
Flauta transversal | Ana Teixeira Fidalgo
Classificação etária | M/6
Duração aprox. | 60min.
 
MOREIRA DE CÓNEGOS
SÁB 28 | 21H30 MÚSICA
SÉRGIO MIRRA
ÁTRIO DA IGREJA PAROQUIAL DE MOREIRA DE CÓNEGOS
Caso as condições climatéricas não permitam a realização ao ar livre, este evento terá lugar no Centro Pastoral de Moreira de Cónegos, pelas 21h30
SINOPSE
Músico multi-instrumentista de cordas, natural de Guimarães, a quem a música tradicional
portuguesa desde muito cedo conquistou. Licenciado em Educação Musical, começou os
seus estudos musicais no Centro de Cultura Musical nas Caldinhas (Sto. Tirso), tendo o violino
como instrumento principal.
Mais tarde ingressou na Escola Profissional de Música de Viana do Castelo, onde concluiu o curso profissional de instrumento. Fez a sua licenciatura no Instituto Piaget em Canelas (Gaia) e a profissionalização em serviço na Universidade do Minho.
O projeto “SÉRGIO MIRRA” surge da sua grande paixão pela música tradicional portuguesa
e da vontade de passar às gerações vindouras este tesouro riquíssimo que é a música tradicional e os instrumentos tradicionais portugueses. A voz e o Cavaquinho são a base deste
projeto, mas o Bandolim e as Violas regionais também terão o seu papel de destaque nas mãos
do Sérgio Mirra. Acompanhado por dois grandes músicos, Luis Pinho, na Guitarra Clássica e
Hervê Freire, na Percussão, têm construído um espetáculo cheio de alegria, boa disposição e um conjunto de músicas cantadas e instrumentais, recolhidas em todo o país, do norte ao sul e
também passando pelas ilhas.
A identidade dada às músicas é muito própria e muito pessoal, com uma mistura de ritmos muito diversificados e tentando tornar as mesmas bastante apelativas e contagiantes, para quem as ouve.
 
SINOPSE
Malhão Morno
Tirana
O Bravo
Peixinhos do mar
Entrudo
Ciranda
Mexe, casaquinha mexe
O que levas na garrafinha
Senhora do Alívio
As sete mulheres do Minho
Meninas vamos à murta
S. Gonçalo de Amarante
O meu montinho
Rapaz do casaquito
Feira de Castro
 
FICHA ARTÍSTICA
Voz, cavaquinho, Bandolim e Viola Braguesa | Sérgio Mirra
Voz e Guitarra Clássica | Luís Pinho
Percussão | Hervê Freire
 
Classificação etária | M/6
Duração aprox. | 60 min.